notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 27/10/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    FOTOS PÚBLICAS

    O ’caminho da extinção’: Gravataí volta ter mais nascimentos que óbitos; O Nostradamus da pandemia e a profecia da terceira onda

    por Rafael Martinelli | Publicada em 04/05/2021 às 13h46| Atualizada em 19/05/2021 às 14h45

    O ‘caminho da extinção’ parou em abril, depois de março, o pior mês da COVID-19, encerrar com o assustador número de 4 a cada 10 vidas perdidas em um ano de pandemia em Gravataí, além de mais óbitos do que nascimentos. Cachoeirinha também registrou redução nas mortes, por diferentes causas, pesquisadas pelo Seguinte: no Portal da Transparência do Registro Civil do Brasil. Porém, apocalíptica é a projeção do ‘Nostradamus da pandemia’.

    Antes da profecia da tragédia, vamos à ‘ideologia dos números’, que mostra um ‘platô de estabilidade’, mas ainda nas alturas do Morro Itacolomi e do Edifício Madri.

    Em Gravataí, em 13 meses, caíram dois Boeings, com 675 vidas perdidas. Os infectados foram 2.286 em 30 dias, e chegam aos 20.619, ou 7,6% dos 271 mil habitantes. Em Cachoeirinha caiu um Boeing. São 351 mortes e 12.203 infectados, ou 9,3% dos 131 mil habitantes.

    A boa notícia é que as curvas de natalidade e mortalidade voltaram a se aproximar da ‘normalidade’, se é possível tratar assim uma redução de 6,5 mortes diárias em março (196) para 4,8 em abril (146), usando o exemplo de Gravataí. Inegavelmente um índice ainda altíssimo se comparado com a média de 1 a cada 24h em dezembro, quando estávamos na mesma bandeira vermelha no Distanciamento Controlado.

    Fato é que se em março Gravataí esteve entre as cidades brasileiras que, de forma inédita, registraram mais óbitos do que nascimentos, e Cachoeirinha chegou perto do recorde negativo, os indicadores melhoraram.

    Gravataí registrou 289 nascimentos e 356 mortes em março de 2021. Para efeitos de comparação, no mesmo mês do ano passado foram registrados 194 nascimentos e 108 óbitos. A virulência da COVID em março de 2021 é evidenciada também na comparação com janeiro – 217 nascimentos e 159 óbitos – e fevereiro, com 227 nascimentos e 150 óbitos.

    Em Cachoeirinha, março teve 173 nascimentos e 166 óbitos. No mesmo mês do ano passado foram 128 nascimentos e 44 óbitos. Em 2021, janeiro teve 159 nascimentos e 67 óbitos e fevereiro 137 nascimentos e 63 óbitos.

    Já em abril, Gravataí voltou a ter mais nascimentos (249) que mortes (178). Em 2020 tinha sido 279 a 108.  Em Cachoeirinha, abril teve 143 nascimentos e 88 óbitos. Ano passado foi 198 a 57.

    Para se ter uma ideia, mesmo que a diferença entre nascimentos e óbitos já viesse caindo gradualmente no Brasil, o excesso de mortes durante a pandemia acelerou o encontro destas duas curvas em março, algo que o IBGE projetava que deveria acontecer apenas daqui a mais de duas décadas, em 2047.

    Detalhei números e trouxe reportagens nacionais e a palavra de especialistas em A virulência da COVID em Gravataí: O mês que teve mais mortes que nascimentos.

    Apavora-me alerta de Miguel Nicolelis, de que podemos vivenciar ainda neste semestre uma terceira onda da COVID-19. É o cientista que alertou para a gravidade da crise do coronavírus em 2020 e, ainda em dezembro, antecipou que a segunda onda tiraria a vida de mais de 3 mil brasileiros por dia – o que aconteceu, e por isso o apelidei de ‘Nostradamus da pandemia’.

    A profecia daqueles que é uma referência mundial em neurociência é de que a combinação explosiva entre vacinação lenta, exposição a novas cepas do vírus, relaxamento do isolamento social e a chegada do inverno farão o Brasil acumular mais de um milhão de fatalidades até 2022.

    – O Brasil está se especializando no método sanfona de controle da pandemia. Fecham quando está altíssimo por uma, talvez duas semanas, e aí, quando cai 4 pontos, abrem tudo de novo e volta a subir – disse à BBC Brasil.

    Sem um lockdown nacional – o que não vai acontecer como, para usar exemplos próximos, mostram as ações dos governos Eduardo Leite, Sebastião Melo, Luiz Zaffalon e Miki Breier – Nicolelis projeta a marca de 500 mil vítimas fatais, a ser atingida em 40 dias.

    – No ritmo atual, nós não vamos nem conseguir vacinar as pessoas antes que alguma variante brasileira, ou da África do Sul, ou da Índia, ou da Inglaterra, escape às vacinas. Essa variante indiana é assustadora. Se as variantes entrarem aqui e passarem a competir com a variante brasileira P-1, e as vacinas que temos não derem conta, podemos ter um milhão de óbitos até 2022 – advertiu, na entrevista.

    Ao fim, aguardemos, já que outro possível – ou provável – fator de pressão no contágio está em curso, que é a volta às aulas em todas as séries.

    Resta recomendar que, em todas as atividades, respeitemos os cuidados sanitários. O atual Distanciamento Controlado do RS, que critiquei em artigos como Como um meme, Leite pintou o mapinha: Gravataí e Cachoeirinha em bandeira vermelha; 50 tons de alguma cor para volta às aulas e O jeitinho de Leite: Gravataí e Cachoeirinha vão para bandeira vermelha; O Ministério da Verdade decreta a Mentira deve dar lugar a outro modelo nos próximos dias.

    Antecipo, para além de que terá nome bonito e bem pesquisado para ‘tranquilizar’ os gaúchos: na prática, representará não mais que a troca da ciência pela política, já que o sistema de bandeiras será trocado por alertas de cor e cada governo estará autorizado a fazer o que quiser em sua cidade, respeitando ou não suas autoridades sanitárias.

    A ‘matemática sanitária’ está muito complicada. Nada que um decreto do ‘Ministério da Verdade’, que transforma preto e em vermelho, não resolva.

     

    LEIA TAMBÉM

    Greve à vista em Gravataí e Cachoeirinha; Sanitária, por volta às aulas, e pelo bolso, por reforma da previdência

    Onde foi o dinheiro do socorro federal para Gravataí; O que ’CPI do Bolsonaro’ encontraria se investigasse

    ’Estou apanhando nas redes sociais, mas coube a mim enfrentar pautas ásperas’, diz Zaffa, prefeito de Gravataí, no Café com Acigra; Os 3 Poderes e o Ovo da Serpente

    A polêmica da volta às aulas: Gravataí e Cachoeirinha odeiam professores?; Para alguns nas redes sociais parece

    Lockdown deu certo: Araraquara tem 2 dias sem mortes, Gravataí tem 5 a cada 24 horas; O efeito Páscoa e a UTI só em hospital militar

    6 meses para ’vacina municipal’: no conta gotas atual, 2 anos para imunizar Gravataí e Cachoeirinha

     

    • política
      Oposição quer ’CPI do Miki’ em Cachoeirinha; Amizade ou relação promíscua, e as 648 horas sem provas
      por Rafael Martinelli
    • política
      O que mais preocupa Zaffa sobre pedágio em Gravataí; A 020 e os 5 pedidos ao governador
      por Rafael Martinelli
    • política
      Vereadores de Gravataí podem ter mesma reposição de 10 por cento do funcionalismo; Os mil a mais e o osso
      por Rafael Martinelli
    • política
      EXCLUSIVO | Miki será alvo de novo impeachment ou CPI em Cachoeirinha; ’Nunca vi denúncia tão bem formulada pelo MP’, diz advogado de vereadores
      por Rafael Martinelli
    • 23 de outubro
      141 anos de Gravataí: por que um prefeito ’trocou’ a data do aniversário para hoje
      por Redação
    • política
      Paulo Silveira e Beto, dois candidatos; A educação e a cura da sogra de Pedro
      por Rafael Martinelli
    • política
      EXCLUSIVO | Miki pede recondução à Prefeitura de Cachoeirinha; É absolutamente inocente, diz defesa ao pedir anulação de denúncias sobre ’mesadão do lixo’
      por Rafael Martinelli
    • aniversário
      Comemorar olhando para o futuro; O artigo de Zaffa nos 141 anos de Gravataí
      por Redação
    • política
      Marco Alba foi um bom gestor; Gravataí é excelência no Índice Firjan
      por Rafael Martinelli
    • política
      Já se fala em aumento de salário para vereadores de Gravataí; A fila do osso
      por Rafael Martinelli
    • política
      Vereadores Dila e Bino pedem mandatos na justiça por perseguição política do PDT de Gravataí; Anabel pressiona por expulsão
      por Rafael Martinelli
    • política
      O reflexo de Busato, do novo partidão do Brasil, na casa de Cláudio Ávila em Gravataí; Dimas, Odair do Acorda e o Retrato de Dorian Gray
      por Rafael Martinelli
    • política
      No que Zaffa lembra o ’Véio da Havan’; O prefeito de Gravataí e o mercador
      por Rafael Martinelli
    • política
      Chefe da Guarda de Gravataí não pode ser ’segurança’ de pub que deveria fiscalizar
      por Rafael Martinelli
    • política
      Fernando Deadpool age como um Boca Aberta de Gravataí; Um vereador a cliques da perda do mandato
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.