zanzando com kati

Templo budista, um pedacinho do Tibet aqui do lado

Mais informações sobre o templo você encontra em www.templobudista.org

Natureza, ar puro, uma vista linda e muitas cores. Assim é o Templo Budista Khadro Ling, em Três Coroas cerca de 100 quilômetros de Porto Alegre. Sobre as montanhas do Vale do Paranhama, o templo tradicional com características da arquitetura oriental é uma ótima opção de passeio de bate-volta no final de semana. A visitação é gratuita e aberta ao público de quarta a domingo. Além de passear pelos jardins, é possível participar de retiros, meditações e, claro, aprender ensinamentos budistas. O local é ideal para ir com a família, grupo de amigos e também bastante seguro para ir com os pequenos. Os animaizinhos de estimação não são permitidos.

Quem chega logo se depara com uma réplica do templo celestial de Zangdog Palri no Tibet  e tem a oportunidade de assistir um vídeo sobre a história do lugar e do budismo. Saindo dali chega-se as Rodas de Orações com mantras em rolinhos de papel que giram continuamente distribuindo energias positivas. Quase em frente existem oito estupas, em formato de pirâmides, que representam as oito fases da vida do Buda e guardam restos mortais de diversos mestres. Diz-se que as pessoas devem percorrer em sentido horário toda sua extensão e que a cada estupa percorrida sua mente se ilumina e recebe-se bençãos.

Próximo dali, estão as grandes imagens de Buda Akshobia, que pregava que toda a raiva poderia ser purificada e do Guru Rinponche, considerado como o segundo Buda e um dos principais mestres a levar o budismo para o Tibet. Os visitantes também podem conferir o Jardim das 21 Taras e a Casa das Lamparinas, que são acesas todos os dias como uma oferenda de luz para dispersar obstáculos de todos os seres. Na parte externa ficam as bandeiras de oração que contêm mantras impressos e, ao serem balançadas com o vento, espalham bênçãos à região.

Outra construção que chama atenção é Zangdog Palri – trata-se da expressão da Terra Pura que abriga as cinzas de Chagdud Tulku Rinpoche que começou a construir o templo em 1995. Desde então, o local se mantém com doações voluntárias, com vendas e livros e artigos religiosos e com a ajuda dos moradores praticantes do budismo.

 

Anote essa dica!

 

Para quem assim como eu já foi diversas vezes lá, a minha dica é ir nos domingos pela manhã para participar de uma prática de meditação. A sessão aberta ao público acontece às 9 horas, recomenda-se chegar lá 15 minutos antes disso e certificar-se, antes de sua viagem, se haverá mesmo prática aberta naquele final de semana – isso muda de acordo com a programação do Khadro Ling. Não deixe também de visitar a lojinha do templo. Há muitos itens legais para levar de recordação como livros, incensos artesanais, camisetas, entre outros artigos. Além disso, aproveite o espaço para respirar fundo, relaxar e meditar.

 

 

PROGRAME-SE

: A visitação acontece de quarta a sexta-feira, das 9h30 até 11h30 e das 14 às 17 horas. Já nos sábados e domingos, das 9 às 16h30. Lembre-se que nas segundas e terças-feiras (até mesmo em feriados) a visitação é fechada. Mais informações www.templobudista.org.

: Famílias em carros de passeio não precisam agendar visita e nem pagar taxa. Já grupos em vans, micro-ônibus e ônibus devem agendar a visita com pelo menos duas semanas de antecedência e o valor cobrado é de R$ 50.

: Leve chimarrão, água, frutas e não esqueça da canga para sentar no chão e apreciar a paisagem. Por ser no alto de um morro, um casaquinho é sempre recomendável.

 

Confira o vídeo que elaborei com as fotos do templo

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Os sabotadores da República

“Por aqui chegamos ao paroxismo de que, para conceitual golpe, é preciso que ele seja vencedor?”. Recomendamos o artigo do jurista Lenio Streck, publicado pelo ICL Notícias O que é

Leia mais »

Receba nossa News

Publicidade