CONSCIÊNCIA NEGRA

“Falas Pretas” celebra Dia da Consciência Negra em Cachoeirinha

O “Falas Pretas”, em celebração do Dia da Consciência Negra, promoveu confraternização, rodas de conversa, palestras, exposições, feira de empreendedores e apresentação da Orquestra de Metais e Percussão Fé na Vida, nesta segunda-feira, 21, na Casa de Cultura Demósthenes González.

Renata David, secretária do Movimento Negro de Canoas e uma das organizadoras, explica que a ação valoriza a importância do 20 de Novembro como reconhecimento do negro na sociedade, sua história e sua cultura, mas também traz o empreendedorismo por meio da Feira Preta, onde expositores mostram um pouco do seu trabalho.

Na parte da tarde, as “Falas Pretas” trarão exemplos de negros e negras que são destaque tanto na sociedade local, na própria prefeitura de Cachoeirinha, como na sociedade brasileira e no mundo.

– É importante que as pessoas se vejam representadas na sociedade e saibam que apesar de todo o racismo, nós podemos vencer e conquistar nosso espaço também – destacou a professora Rosângela das Neves, assessora da Secretaria Municipal de Educação.

Ela também ressalta a necessidade de cada cidadão ser antirracista e adotar um papel protagonista neste processo. Esta atitude também é destacada pela estagiária de Comunicação da Prefeitura, Maria Eduarda Bento:

– É importante ter a consciência de que sua cor é maravilhosa, você é igual e pode alcançar o mesmo lugar que todos. E obviamente, em uma sociedade racista, não bastar não ser racista, tem que ser antirracista, então se você ver qualquer ato sendo cometido na internet ou na sua vida pessoal, rebata ou denuncie, não seja congruente com eles.

O prefeito Cristian Wasem participou do evento:

– Queremos construir em Cachoeirinha uma rede de diálogo e conscientização sobre o racismo. E não podemos deixar de agradecer a ajuda que a Renata do Movimento Negro de Canoas nos deu para a realização deste evento, pois estamos plantando uma semente de uma ação que deve ser ampliada para os próximos anos – ressaltou.


A Casa Demósthenes González


A Casa de Cultura de Cachoeirinha foi batizada com o nome de um expoente negro: Demósthenes González. político, jornalista, compositor, escritor e boêmio. 

Amigo de infância de Lupicínio Rodrigues com quem desfrutava a boemia da capital e a parceria em inúmeras canções, além do livro “Roteiro de um boêmio” (1980), vida e obra de Lupicínio Rodrigues.

A obra virou um show, que estreou no Rio de Janeiro com o mesmo nome: “foi sucesso total e levou a música e a história de Lupicínio Rodrigues a um grande público que pouco conhecia do nosso grande autor”. Faleceu em 2000, mas deixou raízes na cidade – sua família ainda mora aqui – onde fez história como político.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tua avó está presa

Prezada Ana Cristina. Vou iniciar essa carta dizendo o que deve ser dito. Tua avó Delfina Maria não está viajando para a Chapada Diamantina, como te informaram, até porque, se

Leia mais »

Receba nossa News

Publicidade